domingo, 4 de maio de 2014

Ataque de pudor


Assim, "sem que, nem por que" , no meio de uma farra "daquelas", entre muitas bebidas alcoólicas, cigarros, um som com um barulho estridente e muitas mulheres voluptuosas, de repente, me peguei distraído fazendo perguntas para mim mesmo.

Por que essa necessidade minha de sempre extravasar com bebidas em festas eróticas, com mulheres em demasia, que na verdade me dão simplesmente orgasmos rápidos, sem transmitir nenhum prazer?

Por que essa necessidade de me mostrar esperto, mulherengo e sentir vaidoso com isso tudo?Meu Deus, a felicidade exige simplicidade. Eu sou simples! Cadê Maria Antônia, minha tão sonhada e idealizada paixão? Quem mais poderia me dar prazer e tanta felicidade? Quem poderá suprir essa companhia tão desejada?

Trocaria tudo que tenho hoje para ficar com ela, numa simples casinha, que seja, tomando, nós dois, nossa bebidinha preferida, apenas para nos aquecer e temperar o nosso amor. Quem dessas mulheres aqui presente me daria carinhos verdadeiros, vindos da profundidade da alma, preocupando como foi o meu dia, como estou?

Seria possível, Senhor, materializar essa mulher para mim e trocar todas essas noites de sedução e erotismo por carinhos também com tesão e desejo, mas de uma única e exclusiva mulher?Seria possível, meu Deus, trocar esse barulho infernal por um quase inaudível som de uma vitrola, tocando uma canção de amor?

Estou cansado disso tudo. Estou cansado dessas conversas onde não se tira proveito de nada. Estou cansado de dizer e escutar coisas vãs.

Ah, como me faz falta palavras leves de uma mulher simples que saiba o que de fato seja realmente o amor!

Será apenas um sonho meu essas divagações aqui nesse tumulto?

Não tive tempo de me responder. Nesse momento mais uma mulher me puxa pelo braço com um copo de bebida na mão em direção a um quarto e exige mais uma orgia sem amor.