terça-feira, 3 de junho de 2014

Até quando

Até quando você vai ficar numa casa sem ruído, esperando a morte, doce e resignada, respirando um ar podre de um casamento morto?

Não sente entrando pelas frestas da janela a correnteza de um vento livre e puro que corre lá fora?

Não quer ser livre e se tornar verdadeiramente mulher?

Não quer dançar a dança das fêmeas?

Não quer conhecer o amor e trocá-lo por esse sentimento que apenas sufoca?


Não é porque acabou que sua história de amor deixou de ser linda.