sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Ah, você!

                                                        
Ah, você...

Com esse ar de pode ser,
Com esse riso fácil e
Com esse olhar me implorando amor.

Ah, você...

Que é cara, corpo, gênio, mas
Que não me deixa por inteira se revelar...
Roendo assim, o meu coração antes dele parar.

Ah, você...

A quem suplico amor, carinho e afeto,
Projeto, integro e entrego
Toda a minha arte de amar.

Ah, você...

Que cede, como quem não quer,
Sorvendo e se dando devagar, assim
Como se soubesse como gostosamente entregar.

Ah, você...

Que é mais que bela, mais que corpo,
Mas que se deixa tímida revelar...
Sendo eloqüente só no ato de se dar.

Há você...

Para dar sentido à minha vida